sábado, março 06, 2010

PCP faz 89 anos


Faz hoje 89 anos que foi fundado o Partido Comunista Português, do qual sou militante com grande orgulho. Partido com uma dedicação inabalável à luta pelos interesses dos trabalhadores e do povo português, pela democracia avançada e liberdade, pela paz e cooperação. Partido com uma história sem igual no contexto português, incluindo ser o único partido que sob grandes dificuldades manteve e expandiu a sua influência durante o fascismo, contribuindo para frentes unitárias de luta contra o regime fascista, contra a guerra colonial, e pela democracia. Partido que se manteve firme na defesa dos interesses dos trabalhadores, não se iludindo pelas derivas da social-democracia, do euro-comunismo, do compromisso com o Capital e a Direita; e que por esta coerência merece ainda a confiança dos trabalhadores e das populações. Partido que contou entre as suas fileiras corajosos e brilhantes militantes, que tudo sacrificaram (até a vida) para os mais altos objectivos e ideias. Partido que não é uma mera oposição, mas tem um projecto alternativo de sociedade, a democracia avançada, o socialismo e o comunismo. Partido feito de membros cuja militância não é uma forma de subir à ribalta, de conseguir um posto político, a notoriedade, ou a colocação num posto de chefia numa empresa ou posto público, mas que, dedicando horas da sua vida, não esperam mais que contribuir para os objectivos partidários colectivos. Partido capaz de anualmente construir uma evento sem igual no contexto cultural e político de Portugal, e com escassos equivalentes a nível mundial: a Festa do Avante!. Partido que, devido a estas características, se mantém como dos poucos partidos comunistas fortes na Europa, com estreita ligação aos trabalhadores e populações, e respeitado pelos restantes partidos comunistas e operários do mundo. Partido que se destinge assim dos restantes clubes políticos no contexto português. Partido que tendo sentido uma quebra no início dos anos noventa, devido aos acontecimentos na URSS e no Leste da Europa; sendo atacado por dissidentes e "ex-comunistas" profissionais; sendo alvo constante e preferido dos partidos de direita - que simultaneamente se repetem no anúncio da sua morte e vêem a acção PCP em tudo o que são acções justas de protesto dos trabalhadores e populações; sendo alvo de um forte campanha ideológica do Capital que existe que não existe alternativa ao capitalismo; se encontra vivo, em crescimento e rejuvenescimento. Partido que continua a merecer ser referido como "O Partido".

Viva o Partido Comunista Português!

2 comentários:

amigona avó e a neta princesa disse...

Saudações camarada!

tiagofigueiro disse...

E muitos mais hão-de vir, camarada, sem nunca deixar cair a bandeira!