domingo, maio 03, 2009

1º Maio

[Aos seguidores regulares deste blog: ainda não tive oportunidade de fazer a habitual compilação a meio do ano das lutas de trabalhadores realizadas em 2009 até ao 1º de Maio. Outros compromissos impediram-me de completar essa listagem. Estará para breve. ]

O 1º de Maio de 2009 foi mais um grandioso dia de luta e demonstração de determinação dos trabalhadores portugueses. Dia particularmente importante, tratando-se de um ano carregado de eleições, e de possibilidade de ruptura com a política de direita.

É por isso lamentável que a marcha da CGTP-IN em Lisboa tenha recebido mais atenção devido ao acto provocatório do cabeça de lista ao Parlamento Europeu, Vital Moreira, que procurou integrar a cabeça da manifestação, e tendo tal presença sido impedida (como é natural, não tendo sido convidado para tal, e sendo uma figura que várias vezes atacou a CGTP e tem defendido o código de trabalho que a CGTP tanto tem combatido), insistiu em precorrer em sentido contrário a marcha, pelo passeio, tendo sido algo de apupos e assobios. Ao que consta, devia ter levado chapeu de chuva, foi atirar-lhe água para cima. Que eu tenha havido, não houve qualquer tentativa de agressão física. Não terá sido agradável para o senhor, mas que estava ele à espera, ao dirigir-se a uma manifestação onde as políticas de direita e o Governo Sócrates, que ele representa, eram um dos principais alvos de protesto. E quem lhe fez escolta durante o seu percurso provactório, garantindo que ele não seria vítima de algum manifestante mais exaltado: membros da CGTP. É assim incrível o o spin dos média e dos partidos de direita, fazendo de VM uma vítima, e os seus pedidos de desculpa à CGTP e ao PCP, como se os assobios fossem uma acção planeada pelos organizadores e não uma reacção espontânea dos participantes.
Ainda assim, Francisco Lopes, do Comité Central do Partido Comunista, declarou:
"O PCP manifesta a sua discordância e lamenta os incidentes verificados em Lisboa, num acto isolado de alguns manifestantes" mas "rejeita as acusações, insultos e calúnias dirigidas pelo PS contra o PCP." (...) "estas atitudes do PS, instrumentalizando actos isolados que só podem responsabilizar os próprios e que são inseparáveis da situação de desespero em que milhares de trabalhadores se encontram, constituem uma manobra de carácter eleitoralista". O Partido Socialista, "procurando a vitimização, pretende fugir à discussão dos grandes problemas nacionais, às suas responsabilidades na situação do país e ao julgamento que os trabalhadores e o povo português farão da sua política."
Há uma diferença muito grande, do meu ponto de vista, entre agressões à pessoa física (ainda que só atirando água, que só molha tolos), e os assobios e apupos. Alguns consideram estes uma atitude primitiva e logo também reprovável. Em relação a isto, não posso de recordar com um sorriso, que na Scala de Milão, uma das mais reputadas casas de ópera do mundo, onde o público que assiste a essa forma expoente da arte de espectáculo, não suprime os seu sentimentos quando gostam ou desgostam de um cantor. O "terceiro anel" da Scala não poupa os "bravos", "bravas", e palmas quando homenegeiam a prestação de um cantor. Mas quando não gostam da actuação, também não resistem ao apupos e a estampar os pés. Os apupos não são mais primitivos que as palmas. São actos colectivos de expressão de uma opinião. E a liberdade de expressão ainda é um direito constitucional.

4 comentários:

Emanuel disse...

Direito constitucional: Pouco importa à burguesia se é direito constitucional ou não. Recordo que a camarada Odete Santos defendeu em tribunal camaradas da JCP que tencionavam pintar um moral politico, não me recordo aonde. Mais, não é também um direito constitucional um ensino público gratuito, ou tendencionalmente gratuito? Será tendencionalmente gratuito pagar 900€ de propinas num país com 450€ de ordenado mínimo?
Não haja ilusões em relação à direita! Para eles a constituição é só mais um instrumento para defender os interesses do capital.

Emanuel disse...

Agressões e eleitoralismo: É só para lembrar que por duas vezes Mário Soares foi agredido durante a campanha eleitoral: Uma em Leixões, outra na Marinha Grande!
Será possível que...?

Anônimo disse...

É claro que tanto a CGTP como o PCP condenam a agressão (ou tentativa dela) de que foi alvo Vital Moreira, tanto mais que até tinha sido convidado para estar presente na cerimónia. Porém, há uma questão que se compreende não seja referida pelas organizações envolvidas. Porém, quanto aos analistas já não se percebe porque não é referida, a saber:

1º) Porque é que Vital Moreira, em vez de ir para a tribuna e para junto da direcção da CGTP, onde nada se teria passado, decidiu passear-se pela Av. Almirante Reis?

2º) Quereria testar a mole humana que por ali desfilava e que deveria calcular já está suficientemente traumatizada pela política do PS?

3º) Será que procurava que veio mesmo a acontecer?

4º) Sabendo Vital Moreira que aquela era uma concentração da CGTP, porque exige desculpas ao PCP?

5º) Será que estão a faltar analistas verdadeiramente independentes à nossa TV?

Zé da Burra o Alentejano

Anônimo disse...

Oh André

Vital Moreira não é parvo.
Ele escolheu muito bem.....